terça-feira, 4 de novembro de 2014


Queridos irmãos e irmãs, vivenciamos momentos de Céu na terra na Sessão de Clausura da Fase Diocesana do Processo de Mãezinha, realizada no dia 25/10/2014.

Trazemos para você as palavras do Postulador Geral da Ordem do Carmelo Descalço, vindo de Roma para, com muita bondade, alegria e comprometimento, acompanhar os trabalhos de finalização desta fase do Processo:
“Como é costume fazer em ocasiões como esta, desejo manifestar os sentimentos de cordial gratidão a Dom Ricardo Pedro, por ter dado início à fase diocesana do Processo de Beatificação e Canonização da Serva de Deus Maria Imaculada da Santíssima Trindade, e também a Dom Majella, por tê-la levada, hoje, à sua conclusão. A tenacidade sempre conduz à vitória!
Agradeço cada um dos membros do Tribunal pelo trabalho que puderam realizar.
Agradeço o meu vice-postulador, por esta Causa. Você foi o primeiro que nomeei no início do meu mandato de Postulador Geral. Obrigado por sua ajuda competente, apaixonada e fraterna na condução deste longo, complexo e importante trabalho. “Grazie”, Padre Leandro Carvalho.
Dirijo um obrigado especial às minhas Irmãs Monjas do Carmelo da Sagrada Família. O Monte Carmelo é o lugar da revelação do Deus presente e vivo, que impele os profetas a entrar na história e a levar ao povo o anúncio da salvação que provém do conhecimento do seu amor e da obediência à sua verdade. O combate contra a banalidade, o egoísmo e a mentira é duro, mas é nele que Deus se manifesta como esposo fiel, o qual precede e doa o repouso na sua intimidade.
Os santos carmelitas foram indicados por todos os Papas, a partir do século vinte, como modelos especiais para o caminho de santificação do povo de Deus. Por isso, agradeço-vos, de modo particular, caras Irmãs, por me terdes dado a possibilidade de realizar aqui a minha missão de Postulador Geral da Ordem Carmelita, confiando em mim, e pedindo-me para acompanhar esta Causa, a serviço da vossa santificação, do povo de Deus que está em Pouso Alegre e, esperamos um dia, de toda a Igreja.
     
Mãezinha foi uma mulher que se percebeu envolvida pelo amor da Santíssima Trindade e, desse modo, confiou a vida da comunidade à Sagrada Família, sinal terreno deste grande Mistério. Foi pobre porque descobriu a riqueza de Cristo; foi prudente, sábia, tenaz, confiante, paciente... em uma palavra, equilibrada, porque viveu totalmente sobre a balança da caridade de Deus. Assim, foi capaz de renovar e tornar suave a vida contemplativa neste mosteiro, acolhendo o espírito do Concílio Vaticano II, sem perder os sinais que dele dão testemunho.
É um testemunho maravilhoso que pode fazer muito bem à nossa Ordem. Desse modo, tudo aquilo que Mãezinha fez foi obra de Deus, que continua a se realizar nas suas filhas e na sua intercessão. Tantas pessoas experimentaram o amor de Deus através das muitas graças recebidas, ao invocarem a ajuda da Mãezinha e, por isso, levaram as Monjas a pedir a abertura deste Processo que, agora, continuará em Roma.
É um trabalho sério, meticuloso, que exigirá compromisso, fadiga, recursos econômicos e, sobretudo, muita oração, pois seu objetivo é o crescimento da fé. A “culpa” é de vocês, por assim dizer, e é também sua responsabilidade continuar a apoiar e sustentar este Processo, ajudando esta família carmelitana, rezando, pedindo a graça de um milagre.

Os sinais da santidade já se fazem ver, mas ainda está distante a beatificação e a canonização da Mãezinha, que todos nós esperamos ansiosamente presenciar. Cada um, segundo as suas capacidades e o seu coração, façamos tudo como se tudo dependesse de nós, sabendo que tudo depende de Deus nosso Pai.
Muito obrigado!

                              Pe. Romano Gambalunga, ocd









segunda-feira, 14 de julho de 2014

 Ave Maria, Mãe do Carmelo!


               Julho é o mês carmelitano por excelência, pois nele celebramos Nossa Senhora do Monte Carmelo, ou simplesmente, Nossa Senhora do Carmo: Mãe e auxílio dos carmelitas e de todo cristão.            
As Irmãs mais antigas do Carmelo da Sagrada Família contam como Mãezinha ensinava-lhes a apegarem-se à nossa doce Mãe, e com Ela, desapegarem-se das coisas transitórias desta vida.
Ela escrevia: “Devemos imitar Maria. Em sua vida, Nossa Senhora não reclama. É humilde. Tudo o que se referia a Ela, reconhecia vir de Deus: Ele é que deve ser glorificado! Nossa Senhora é nosso modelo. Devemos imitar nossa Rainha. Com Maria, por Maria e em Maria, vivamos só para Jesus, nosso Amor!”
Muitos de nossos sofrimentos, e dos que causamos aos outros, vêm de não sabermos viver bem, de nos apegarmos àquilo que é transitório, acidental, contingente, e esquecermo-nos do essencial em nossa vida e relações.
Nossa Senhora é modelo de uma vida equilibrada, alegre, simples, sem fugir do sofrimento, mas assumindo-o como cálice a ser bebido por e com Jesus, para com Ele termos nossa morada definitiva no Céu. Aqui, é passagem. Passagem que determina a eternidade, e já é início dela.
Que nossa Mãe do Céu, que está aqui, conosco, a cada instante, ensine-nos, como ensinou à Serva de Deus Maria Imaculada da Ssma. Trindade a arte de viver tão bem que façamos do lugar onde estamos, um início, um pedacinho do Céu!


            

Pesquisar este blog